« Home | Hoje acordei assim... » | Afinal podem estar descansados que têm emprego... » | É só rir X - Praia de nudismo em Moçambique » | Cinco de Outubro » | Mad world » | Um Blog que fazia falta » | Contra a demissão do Gerúndio » | Amor é ... » | O nosso dinheiro » | Isto é que é rapidez!! »

sábado, outubro 06, 2007

FREE BURMA!


Da opulência do palácio do Governo às ruas de Burma. Uma viagem ao Inferno quotidiano da ex-Birmânia, numa altura em que em Rangum, se sucedem as manifestações contra a ditadua militar, é a Nossa Escolha deste fim-de-semana.
(Clique na imagem para aceder ao site da Avaaz.Org)

Etiquetas:

6Comenta Este Post

At 10/06/2007 4:53 da tarde, Blogger Rui Faustino escreveu...

O ZÉ FAZ FALTA PARA DESPEDIR

"Entre 600 a 700 trabalhadores poderão assim entrar nos quadros, de um total de mil que actualmente têm contrato de prestação de serviços, depois de se determinar quais são os que correspondem a necessidades reais dos serviços e quais os que representam contratações políticas. "

http://www.esquerda.net/index.php?option=com_content&task=view&id=4138&Itemid=27

Está aqui, nas palavras dum dirigente do Bloco, o anuncio dos despedimentos que virão aí na Câmara Municipal de Lisboa governada a meias entre o PS e o Bloco de Esquerda.

Saúda-se a entrada de 600 a 700 trabalhadores precários ("de um total de mil"...) no quadro da CML!

Não fazem favores a ninguém: os trabalhadores precários são necessários e asseguram (quantas e quantas vezes...) os serviços e equipamentos da CML.

Há pouco mais de 4 meses existiam cerca de 1269 avençados, agora já só existem 1000, mas eles juram que não haverá despedimentos...

Dizem que irão "determinar quais são os que correspondem a necessidades reais dos serviços e quais os que representam contratações políticas"...

O autor do texto que citamos, é um acessor do Sá Fernandes (que representa uma "contratação política"), será ele um dos futuros desempregados da CML? Imagino que não...

MAS QUEM DETERMINA... E COM QUE CRITÉRIOS, quais são os trabalhadores que correspondem às necessidades reais dos serviços?

Sobre isto... mistério! Um coisa é certa. Havia (haverá ainda?) mais de 1000 avançados. Quando isto acabar, restarão de 600 a 700. Mas eles dizem que não haverá despedimentos... Só acredita quem quer MESMO muito acreditar!

 
At 10/07/2007 2:00 da tarde, Blogger Isabel Faria escreveu...

Rui, lamento não entrar nessa onda. Dessa forma. Desde o 1º dia que a minha posição quanto ao Acordo e´clara...tenho, portanto, todas a hipóteses de dizer claramaente e sem nenhum subterfúgio que espero para ver.
Até agora tenho a certeza que tu também dás o teu comentário da resolução do problema desses 600 a 700 trabalhadores e isso agrada-me. È isso que espero e exijo do BE e de Sá Fernandes Até agora tenho as mesmas dúvidas que tu manifestas quanto aos outros 300 ou 500. E isso preocupa-me e obriga-me a saber quem são, quais são, porque são.

Em relação a ti tenho uma diferença fudamental: não me esqueço que há trabalahdores precários em outras câmaras (nomeadamente nas maoritariamente da força politica que agora acusa o Bloco e Sá Fernandes de "fazerem falta para despedir". Não me esqueço que muitos destes "avençados" e precários são-no há mais de 10 anos, desde o tempo da coligação PS/PCP e desde o tempo em que o STAL não colocava faixas pretas, até lá reservo-me o direito de pensar que Sá Fernandes faz falta para despedir, não consegue impedir que se despeça ou consegue fazer com que não se despeça.

De todas, claro que preferia a última hipótese...mas não terei qualquer dúvida em lamentar a segunda ou denunciar a primeira. Apesar de, verdadeiramente e apesar de todas as dúvidas não acreditar que algum dia chegue a denunciar a 1ª...ou já teria entrege a "pasta" há muito.

Reforço a tua pergunta: com que critérios será decidido quem deve ou não permanecer?

Até à resposta a esta pergunta não me pronunciarei sobre o assunto. E quando o fizer será por ter ouvido os trabalhadores não por ter lido o Avante.

 
At 10/07/2007 6:29 da tarde, Anonymous Anónimo escreveu...

"Até à resposta a esta pergunta não me pronunciarei sobre o assunto. E quando o fizer será por ter ouvido os trabalhadores não por ter lido o Avante."

Deve ter sido por isso que apoia Free Burma oil&gas to Chevron%Total. Por ter ouvido os nativos...

 
At 10/07/2007 6:53 da tarde, Blogger Isabel Faria escreveu...

Ó problema dos "nativos", caro anónimo...é que a ditadura não lhes permite serem ouvidos.

 
At 10/08/2007 7:56 da manhã, Blogger Daniel Arruda escreveu...

Gosto dessa postura de um anónimo que aí escreveu. Deu para ver que como se trata de uma ditadura amiga da China já é uma ditadura boa.
Tão triste!!!!!

 
At 10/08/2007 1:45 da tarde, Anonymous Anónimo escreveu...

A Total é chinesa? A Chevron/Unocal é chinesa? Sabia que estes gajos eram ignorantes, mas agora tanto...livra!

 

Enviar um comentário

<< Home