« Home | Uma vénia à TSF » | Continua em grande o Vieira da Silva » | Começou a hipocrisia natalícia » | De regresso à normalidade. "No passa nada" » | Atenção que o Jacinto voltou » | É um direito e não uma regalia » | Não esquecer » | Há perguntas que ainda não têm respostas » | Uma ou duas Alemanhas » | Os Burros, o Mercado de Acções e a crise... »

sexta-feira, novembro 13, 2009

Obrigado Sócrates

Depois das declarações hoje de Sócrates ao país ficámos a saber uma coisa. É que para o 1º Ministro não é importante o que ele disse ao telefone nas supostas escutas mas sim se elas são legais ou não. Infelizmente para o país é muito mais importante saber o seu conteúdo pois disso depende o grau de confiança que podemos ter num governante.
Ficámos esclarecidos. Em matéria de seriedade não importa se a há ou não. Importa é saber se ela pode ser detectada ou não.

Etiquetas:

8Comenta Este Post

At 11/13/2009 8:10 da tarde, Blogger *JjS* escreveu...

Cuidado. É muito mais importante saber que alguém nos pode escutar ilegalmente do que uma eventual aldrabice do 1º ministro. Neste podemos votar ou não para que ocupe esse lugar, os magistrados, procuradores e outros por aí, ninguém os elege nem destitui.
Ouviste alguma vez falar da pide? de prisão sem culpa formada, acusações sem qualquer prova que não fosse a autoincriminação sob tortura?
Se alguma vez vires as tuas conversas expostas num jornal sem seres tu o suspeito de qualquer crime, falamos, ok?

 
At 11/13/2009 8:20 da tarde, Blogger Daniel Arruda escreveu...

Sócrates não foi escutado. Foi apanhado numa escuta legal ao Armando Vara.
O que me importa agora saber é o que é que ambos falaram para saber se tenho um aldrabão ou não como 1º Ministro. Isso é que me interessa e não saber se a escuta feita ao Armando Vara por ser feita ao 1º Ministro se torna ilegal ou não.
Por outro lado quem não deve não teme. Se o Sócrates é tão inocente como afirma que deixe o teor das escutas virem a lume. Só o dignificava.
Quanto ao fantasma da PIDE meu amigo. Depois de ver o 1º ministro autorizar polícias irem a sindicatos para saberem quem fez ou ia fazer greve ou ir á manifestação ou ter livros proíbidos de serem vendidos porque a capa ofendia uma estrutra que está na dependencia do 1º Ministro estamos falados de direitos liberdades e garantias. Só faltava agora virem desenterrar o papão. Isso é o que se chama de falta de argumentos.

 
At 11/14/2009 8:12 da tarde, Anonymous Anónimo escreveu...

Daniel vai-me desculpar, mas quem viveu a ditadura, quem sabia o seu telefone vigiado e a sua correspondência devassada, quem soube o que era o medo de ser acordado ás quatro da manhã, e de ser levado para a Antonio Maria Cardoso, não pode comparar isso com os autoritarismo de Socrates, é muito perigoso misturar as duas situações.

Tal como é perigoso desculpabilizar esta devassa dos telefonemas particulares , que a investigação cedeu alegremente aos Jornais.

Toda a critica politica que façamos ao PS -Socrates, ás suas medidas anti-populares, são justas, mas quando deixamos de fazer critica á politica e transformanmos isso na caça ao homem , isso pode ser muito perigoso.

Veja que é o mesmo jornal Sol que traz essa noticia do Socrates, que não tem pejo em caluniar um vereador do Bloco, com uma noticia de encomenda...

Mas vou mais longe, suponha o Daniel que por acaso era amigo do Presidente da Camara do Seixal( cruzes canhoto), que este senhor estaria a ser investigado por qualquer assunto menos claro na autarquia, que o Daniel tinha conversas telefonicas com ele, sobre assuntos de politica nacional e até da sua vida privada , e vice-versa , e que de um momento para o outro , tudo isso vinha escarrapachados nos jornais, como se sentiria, olhe se fosse comigo eu explodia.

A Judiciaria e o Ministério Publico têm de ter muito cuidado com este tipo de investigação, e sobretudo têm de evitar que conversas privadas, sejam divulgadas publicamente, a não ser que a sua relevancia, seja decisiva , para o esclarecimento do que se está a investigar.

Mas não é isso o que se tem passado.

E a DEMOCRACIA não vai nada bem , quando não há separação, entre o publico e o privado.

A Justiça e as investigações , descredibilizam-se quando divulgam para o jornais, conversas que deveriam no minimo estar em segredo de justiça.

Eu tenho muita dúvida sobre esta forma de investigar, as escutas banalizaram-se , e temo que voltemos a situações tão perigosas, como as que adoptava a Pide.

Não tarda poderemos estar todos a ser vigiados.....

 
At 11/15/2009 12:40 da manhã, Blogger *JjS* escreveu...

Parece que o Daniel prefere estar do lado da Ferreira Leite e da sujeira da justiça que temos que não consegue levar a termo as investigações e condenar os corruptos.
O que me parece justo e acertado é exigir que os procuradores e magistrados cumpram o suas obrigações dentro das regras do estado de direito. E pouco me importa que seja o Sócrates o culpado de tudo. Investiguem, provem e condenem. O resto é demasiado perigoso para deixarmos passar.
O Daniel embra-me um poema um certo poema atribuído ao Brecht: vieram buscar - os judeus, os pretos, os homossexuais, etc - que me importa, não sou nada disso.
Há muita gente que não se importa e até aproveita. Oxalá que quando se começarem a importar, não seja tarde de mais.

 
At 11/16/2009 8:25 da tarde, Blogger Daniel Arruda escreveu...

Anónimo, fez a comparação certa. Se eu fosse amigo do Alfredo Monteiro, (que não sou nem deixo de ser, temos uma relação cordial) e fosse escutado ao telefone com ele não teria problemas em que as conversas fossem divulgadas. Porque não tenho nem faço questão de ter telhados de vidro.
NEste caso interessa-me saber se o Sócrates os tem. Ele afirmou no parlamento que não sabia do negócio da TVI. Quero saber se é verdade. Sócrates diz que não há favorecimentos a A ou a B. Gostava de saber se é verdade pois os factos apontam em contrário. Se Sócrates é tão inovente como diz deveria deixar que as escutas fossem divulgDAS. Se elas versavam sobre jantaradas no Gambrinus são irrelevantes para mim e no máximo atestavam o bom osto do PM. Se fosse sobre negócios do Estado então interessam ao povo.

E quanto a polícias dos bons costumes estamos falados em Portugal. Sob capa da legalidade fazem-se ainda hoje prisões arbitrárias sem culpa formada. Ainda hoje temos uma coisa chamada na gíria popular a ASAE-DGS, mas essas polícias de bons costumes dariam para outro post.

 
At 11/16/2009 8:29 da tarde, Blogger Daniel Arruda escreveu...

Jjs, muito antes pelo contrário, por não me importar é que não me calo. E não admito que um PM só pelo cargo que ocupa seja mais que eu.
E ao contrário de si eu nem sequer quero um prova de culpabilidade. Eu só quero saber se Sócrates mentiu e era sobre isso que versava a posta. o que é verdade é que Sócrtaes até hoje nunca negou nada. Apenas o vi contestar se as escutas eram legais ou não.
mal comparado é como o Bil Clinton. Ele nunca negou nada com a Lewinski. O que ele defendia é que de acordo com a lei de Washington DC sexo oral não é acto sexual e por isso ele não mentiu ao dizer que nunca tinha feito sexo oral com ela na Sala Oval. Sócrates está igual. não interessa se ele disso alguma coisa.O que interessa é que de acordo com a lei as escutas podem ser nulas.

 
At 11/16/2009 10:46 da tarde, Blogger *JjS* escreveu...

Entre a cizânia e o estramónio já confundes o trigo com a bosta do gado. Eu não.
Custa-me ver gajos de esquerda alinhados num oportunismo populista com a sujeira que é a récua judicial que usa o seu poder para interferir na política.
Acho bem que se ataque Sócrates politicamente pelo que faz ou não faz na política. E para isso temos que ser convicentes de que somos melhores, o que ainda não vi.
O resto espero que o faça a justiça: que investigue, acuse, julgue e condene se for o caso. Mas a avaliar pelo que a justiça tem feito quando se trata de corrupção ou outros crimes que envolvem gente poderosa, não tenho grandes esperanças.Da Casa Pia, ao Apito Dourado e Final, do BPN ao Isaltino e à Bragaparques, do Freeport à Felgueiras e Face Oculta... ainda não vi uma investigação conclusiva transitada com condenações efectivas. Algo se passa. E ninguém dessa face oculta da magistratura (que passa infomações à Fátima Felgueiras, ao Valentim, ao Pinto da Costa e até o Godinho lê o acórdão antes de ser assinado pelos juízes) é investigado e responsabilizado.
Com esses não estou. Antes o Sócrates truculento, mentiroso (essa é bastante original na política), licenciado por favor, e com uma catrefa de primos a receber do freeport, incluindo o tio que é do psd. Esse a gente pode vencer politicamente; os procuradores e inspectores e magistrados mais ou menos supremos oficiais de justiça e fiés de armazém dos segredos de justiça, esses não.
É por isso, caro Daniel, que penso que andas a elaborar sobre um erro político e com uma lógica estúpida. Desculpa lá a crueza dos termos.
E chega.

 
At 11/16/2009 11:38 da tarde, Blogger Daniel Arruda escreveu...

É a tua opinião Jjs. eu sou dos que acho que por causa do políticamente correcto é que nos deixámos arrastar para este lamaçal que tão bem referes. Porque tudo é legalidade e perante a legalidade e o quadro legal existente tudo é aceitável. Dizes e bem que nada nem ninguém é condenado. Mas não é para isso que o sistema que agora defendes foi criado. Para defender os que se podem mexer no emaranhado de leis e para oprimir o Zé povinho?
Mas a esquerda em nome das liberdades direitos e garantias de alguns e não de todos defende este estado de coisas. Tenho o direito de divergir com a esquerda, sempre que achar ainda para mais que não vejo as coisas de esquerda como dogmas inabaláveis. Umas atitudes são de esquerda e outras não e há um livrinho sobre o que é ser de esquerda e quais as atitudes certas.
Eu quero um estado justo para todos e a justiça também. Não quero justiça para uns e para os outros a impunidade que é o que temos agora.
E já agora sou incapaz de aceitar a tua resignação ao escreveres "Mas a avaliar pelo que a justiça tem feito quando se trata de corrupção ou outros crimes que envolvem gente poderosa, não tenho grandes esperanças.Da Casa Pia, ao Apito Dourado e Final, do BPN ao Isaltino ..." Mas isso sou eu que não vou pelas boas maneiras.

 

Enviar um comentário

<< Home