« Home | Ainda a Casa Pia » | Eu também apoio » | Obrigado Adriano - I » | Dia Mundial da Alimentação -16 Outubro » | 89 segundos » | Isto está bonito » | Camara do Seixal no seu melhor (again) » | Laranja canta Carmen » | Notas (muito) breves sobre o congresso laranja » | Ilustração do post anterior...directamente para Fá... »

terça-feira, outubro 16, 2007

Bem-vindo Makakula



Estou estupefacto com os nossos nacionais futebolistas de bancada. Depois da guerra por causa de Pepe pensei que a convocatória surpresade Makakula fosse gerar nova polémica mas afinal não. Este jogador nascido nessa portuguesa região de Kinshasal na não menos portuguesa provincia da República Democrática do Congo e que passou os últimos anos a jogar em Epanha no Sevilha não é propriamente aquilo que os nacionais socialistas do futebol apelidam de um jogador puro.
É certo que Makakula tem um percurso nas selecções nacionais mas isso não o torna diferentes dos outros. Filho de pais estrangeiros que emigraram para Portugal. O seu pai foi jogador do Vitória de Guimarães indo com tenra idade para a Tunísia se a memória não me falha, voltando com 12 ou 13 anos para as camadas jovens do Vitória. A partir daí e até imigrar e mesmo depois) foi sendo regularmente convocado para as selecções nacionais jovens de Portugal porque tinha entretanto o passaporte português.
Agora se alguém me conseguir explicar qual a diferença entre este naturalizado e todos os outros que faça o favor de me explicar. É que esta contradição não é mais do que reflexo daquilo que se passa na sociedade portuguesa e um reflexo ainda maior da nossa lei de imigração que discrimina quando quer e lhe apetece e dá quando há interesses.
Que fique claro. Para mim Makakula, que escolheu ser português, é tão português como qualquer outro dos que os fascizoides apelidam de puros. Porque a decência assim manda e porque eu quero ser um cidadão livre. Em todo o mundo e não apenas no meu quintal.

Etiquetas:

7Comenta Este Post

At 10/16/2007 11:52 da manhã, Anonymous Anónimo escreveu...

Daniel, acho que estás a misturar as coisas. Ter direito à nacionalidade portuguesa é diferente de ter direito de represenatar a selecção portuguesa. Eu não gostaria q os ingleses e italianos começassem a vir buscar os nossos jogadores cada vez mais novos para depois os naturalizarem e porem a jogar na selecção. Não tem nada a ver com nacionalismo, apenas com verdade desportiva. E o Makukula é, de facto, desportivamente português, emquanto o Pepe é desportivamente brasileiro.

 
At 10/16/2007 12:09 da tarde, Blogger Daniel Arruda escreveu...

Anónimo, agora há dois tipos de portuguese? Os desportivos e os não desportivos. Ou somos Portugueses ou não somos. Ou temos nacionalidade ou não temos. Mas é isso que os outros países fazem. O que não falta são exemploos e Portugal está pelo menos 15 anos atrasado nessas coisas.
Mas volando ao Makakula. Desportivamente portugês????? Iniciou a sua carreira na Tunísia, jogou 5 ou 6 anos em Portugal, foi para Espanha até ao ano passado e esta ano joga na Madeira que é sempre discutivel que seja território nacional mas admitamos que sim. Por muitas voltas que possamos dar ele até viveu e jogou mais anos no estrangeiro que em Portugal.
Já agora o desportivamente Portugues também se aplica ao Manuel da Costa que nunca viveu ou jogou em Portugal mas é Português?
Nota: Eu defendo que ele deve jogar por Portugal. Escrevi isto só para que nunca subsistam dúvidas sobre a minha posição que pode ficar confusa pois até parece que ataco o Makakula. Nada disso. Só quero perceber as diferenças entre ele e os outros.

 
At 10/16/2007 2:38 da tarde, Blogger Schlumpy escreveu...

A mim, comum cidadão, parece-me que este assunto é daqueles que menos me preocupa ou me faz pensar.

A explicação é muito simples. Qualquer individuo que possua naturalidade portuguesa, desde que dê provas de bom atleta, pode perfeitamente ser convocado para as selecções sejam elas de que desporto for.

Aquilo que eventualmente poderia por em causa é o valor desse mesmo atleta. Eu que não sou muito informado sobre futebol, não posso comentar este facto.

Para brincar um pouco com o assunto coloco a seguinte hipótese a título de exemplo: Um individuo filho de pai brasileiro e mãe russa, mas nascido em Portugal, em que selecção é que poderia jogar?? Nenhuma??

 
At 10/16/2007 8:46 da tarde, Anonymous Anónimo escreveu...

O meu ponto é que sou contra a naturalização só para jogar na selecção.

 
At 10/17/2007 9:05 da manhã, Blogger Daniel Arruda escreveu...

Schlumpy, não poderia estar mais de acordo com o teu comentário e quanto á tua pergunta só posso dizer que jogava naquela que quiosesse pois teria a nacionalidade que tinha optado por ter.

Anonimo, se há duas partes interessadas uma com vontade que ele jogue e a outra de ele jogar qual o problema. Não consigo ompreender esse conceito de nacionalidade que por vezes se defende. Se um trabalhador da construção civil, emigrar para a Suiça e pedir a nacionalidade suiça só e apenas porque fica ao abrigo de um regime fiscal mas favorável porque não o deverá fazer? Ficará diminuído na sua nacionalidade? É uma questão de interesse. A pessoa torna-se suíca para o bem e para o mal. Terá o futebol de ser diferente' Uma quintinha onde as coisas devem ser nacionalistas enquanto que no resto da vida podemos liberais?

Desculpa as perguntas mas condfesso que tenho dificuldade em entender estas diferenças entre o futebol e o resto da sociedade.

 
At 10/19/2007 2:28 da tarde, Anonymous The Studio escreveu...

O Makukula não deveria sequer ter nacionalidade Portuguesa, quanto mais representar Portugal... Aliás, gostava de saber quais são esses critérios de atribuição de nacionalidade do senhor Arruda para achar que este indivíduo é PortuguÊs?

 
At 10/24/2007 11:03 da tarde, Anonymous Godsdog escreveu...

eu acho que tinhamos muita falta de um ponta de lança que nem que fosse um E.T. tinha de jogar na selecção


bem vindo Makukula

 

Enviar um comentário

<< Home