« Home | A gente volta.... » | No meu mundo cheio de dúvidas... » | No lugar onde guardo os sorrisos, ficará para semp... » | Passos Coelho "jamai" » | Mas nós cidadãos também temos culpa » | Se o jipe vai cheio, onde vão os trapinhos do casa... » | Cantemos, camarada, cantemos!! » | A história das coisas » | E os portugueses??? » | Ainda haverá tempo? »

sábado, agosto 15, 2009

Criatividade e qualidade precisam-se!!

(imagem "roubada" ao Cinco Dias)

Na última semana tive que percorrer por quatro vezes o caminho entre a capital e o Ribatejo. Quatro vezes em dois dias seguidos e, em duas delas, para quebrar a rotina, optámos por não ir pela auto-estrada e escolher dois caminhos diferentes. Pelo Porto Alto e pela Azambuja....

A dois meses das Autárquicas deu para ver as ruas cheias de outdoors dos candidatos...e, acredito, mas acredito mesmo, que grande parte dos eleitores, aquela parte que, à partida, pensa votar, corre o risco de se tornar abstencionista se cair na esparrela de parar um minuto que seja a olhar para um outdoor que seja de que Partido for...
As poses, as cores, os gestos, as expressões faciais, as palavras, o fundo...Tudo. Para bem da Democracia, espero sinceramente que em nenhum lugar por onde passei, algum eleitor ouse levantar os olhos e ver "aquilo".

Incluo os do meu partido. Sem nenhuma dúvida.
Nada distingue os cartazes do Bloco em Salvaterra de Magos, por exemplo, dos cartazes da CDU ou do PSD ou do PS, em Salvaterra de Magos (não sei quem imitou quem, e confesso que não fixei a "mensagem", mas a do Bloco e do PSD têm algo de copy paste no slogan que me incomodou...).

Lisboa não foge à regra. O outdoor do Luís Fazenda também não. É mau, é pobre, é feio.
Sempre achei que, num outdoor, a mensagem que se transmite tem que ser positiva (o Lisboa é Gente de há quatro anos, foi um óptimo slogan e um óptimo mote. Obviamente que não o iriamos usar...mas, obviamente, que todos os Partidos têm (ou deviam ter?) criativos para usar a... criatividade).
Penso que numa altura em que a situação económica e social torna Lisboa uma cidade cada vez mais pobre, mais desigual e mais injusta, era sobre pessoas, as pessoas cada vez mais pobres e a injustiça das suas vidas, que os slogans do Bloco deveriam (terão) que incidir.
Nas negociatas do Poder, mesmo do Autárquico, está muita da responsabilidade dessa falta de qualidade de vida? Obviamente. Mas no momento em que alguém perde uma casa por não conseguir pagar um empréstimo, um idoso fica mais sozinho porque os seus filhos ficam desempregados, muitas vezes longe, porque a cidade, os tais negócios que vêm de anos, os exilaram para longe, e com menos posses e hipóteses de os visitar ou acompanhar, o que um eleitor de Lisboa quer ouvir falar é da sua vida. Ou da falta dela.
E, depois, mesmo numa eleição autárquica (sobretudo em Lisboa e nos centros urbanos), não há, a meu ver, nenhuma necessidade daquela fulanização toda, com um Luís Fazenda enorme tamanho XXL, a ocupar todo o outdoor e um simbolo do Bloco mais ou menos tamanho xs, cá em baixo, num pobre cantinho.

Justiça na economia, era o slogan das Europeias em Junho. Justiça na Cidade, seria, talvez, o meu slogan nas Autárquicas em Lisboa. O Bloco tem um óptimo programa eleitoral para a cidade de Lisboa. Só seria necessário ser fiel à sua essência para que o 1º outdoor da campanha pudesse fugir ao cinzentismo e à tristeza geral...

Por favor, mudem-me aquelas cores...e, por favor, juntem cidade e gente ao meu candidato. E, se não for pedir muito, juntem um pouco de Bloco, também!

Etiquetas:

12Comenta Este Post

At 8/15/2009 6:13 da tarde, Anonymous Anónimo escreveu...

Receio bem que o BE esteja a fazer como os partidos "grandes" para parcer "grande" também.
Tem tanta gracinha a fazer isso como um adolescente de fatinho e gravata.
MH

 
At 8/15/2009 7:01 da tarde, Blogger Isabel Faria escreveu...

De vez em quando também me assustam as gravatas e os fatos cinzentos, sim!! Isto em sentido figurado, obviamente.

 
At 8/15/2009 10:52 da tarde, Anonymous Anónimo escreveu...

Tanto barulho por tão pouco.

O Luis Rainha no Cinco Dias já disse cobras e lagartos, agora a Isabel...

È verdade que ainda não vi o cartaz em lado nenhum, e talvez isso me preocupe.... ou talvez não.

Cartazes, frases , fotografias de candidatos, , em suma todo este tipo de propaganda, está datado, há que encontrar novas formas, de divulgar as ideias e o programa.

A Net é uma delas.

Sobretudo em relação aos cartazes das autárquicas, o Bloco, na generalidade não é feliz na escolha dos temas, e da composição dos cartazes.

O dinheiro não abunda, a iniciativa é local, e cada um faz o melhor que pode e sabe, mas se o programa fôr apelativo, e a candidata (o) credivel, o cartaz pode ser muito mau, mas não é isso que lhe fará perder votos.

Tomemos o exemplo da sua Freguesia da Pena , se a Isabel não se tem empenhado a fundo nas últimas campanhas autárquicas, a conversar com as pessoas a discutir os seus problemas , acha que conseguia ser eleita para a Junta, mesmo que tivesse o melhor cartaz , e a melhor fotografia, feita por uma agência de comunicação, daquelas que cobram rios de dinheiro....

Já agora a Isabel continua a ser cabeça de lista da sua Junta de Freguesia?

E o BE consegue apresentar candidaturas em todas as Freguesias de Lisboa?

 
At 8/15/2009 11:00 da tarde, Blogger Isabel Faria escreveu...

Caro Anónimo, nunca hei-de entender essa do "tanto barulho"...para falar dum post!!

E também nunca hei-de entender porque nos devemos contentar com essa do pobrezinhos para justificar que não se façam coisas...menos iguais aos outros.
Claro que podemos ter o melhor cartaz da camapnha que se o programa for mau, não há cartaz que nos safe. Mas podemos e devemos fazer um esforço, ou não? Já que o dinheiro (pouco, eu sei) se gasta na mesma, então que ousemos ser um bocadinho menos...crescidos, como dizia o comentador anterior.

Já agora as respostas ás suas perguntas:
Sim e sim.

 
At 8/15/2009 11:04 da tarde, Anonymous Anónimo escreveu...

Tem razão deveria ter escrito

Tanta importãncia, para tão fraco assunto.

Estou de acordo , a imaginação nada tem a ver com a falta de meios.

Mas lanço-lhe um desafio pergunte quem criou o cartaz do Fazenda, e mande-o para a guilhotina, o cartaz e quem o criou, porque o Fazenda FAZ FALTA....

 
At 8/15/2009 11:16 da tarde, Blogger Isabel Faria escreveu...

Caro Anónimo, não costumo mandar pessoas para a guilhotina!!! Contentar-me-ei em dizer-lhe quando o vir:
O Fazenda não merecia tal sorte!!:))
E o Bloco exige mais ousadia.

 
At 8/17/2009 11:48 da manhã, Anonymous Anónimo escreveu...

Vi ontem o cartaz, e como antigo gráfico, só posso escrever, que não o achei nada mal.

Se a critica tem a ver com a palavra de ordem usada, é uma opção que não acho errada , afinal a Camara, como se tem visto nas várias vereações, é uma sucessão de negociatas mal esclarecidas, com processos na Justiça á mistura.

Ao dar todo o destaque á fotografia do Fazenda, apesar de ele ser com Louçã, os dois primeiros deputados do Bloco, e sucessivamente reeleito, não tem a notoriedade pública de outros deputados do Bloco, por isso num primeiro cartaz, o destaque penso que se justifica.

O tamanho do simbolo do BE, esse poderia ser um pouco maior, é talvez o único aspecto que lhe mudaria.

Certamente os proximos cartazes serão diferentes, até porque a lista não é só o Fazenda, e tambem tem de se dar destaque aos candidatos da Assembleia Municipal.

 
At 8/17/2009 11:51 da manhã, Anonymous Anónimo escreveu...

Vá lá, não se contentem com a aparência, esmiucemos "Lisboa não é negócio"
Negócio, etimologicamente é "Negação do Ócio". Logo, a frase veicula uma dupla negação, "Lisboa não é não-ócio", ou seja, simplificando, " Lisboa é Ócio".
"Ócio" vem do grego e significa mesmo "Não fazer nada". Daí, a mensagem até estaria fresca, ousada e irreverente não fosse o ar façanhudo do Fazenda a estragar tudo!
MH

 
At 8/17/2009 12:08 da tarde, Blogger Isabel Faria escreveu...

Caro Anónimo, o que nos dá piada é essa nossa caracteristica e capaciade de pensarmos pela nossa própria cabeçe, termos opiniões diferentes e manifestá-las.
Voltei a ver o cartaz e...voltei a não gostar dele. Ainda bem, sobretudo porque quero que o meu Partido tenha uma óptima votação e lutarei por isso (apesar de saber que não é dum cartaz que isso depende!), que há quem não partilhe a minha opinião.

 
At 8/17/2009 12:09 da tarde, Blogger Isabel Faria escreveu...

MH, quase me convenceste sobre a frescura da frase!!
Lembrei-me das nossas ovelhinhas de boa memória...

 
At 8/17/2009 11:30 da tarde, Anonymous Blocquista de fora escreveu...

O cartaz é fraco, não se coloca uma mensagem negativa em cima da gola de ninguém. Claro que UM cartaz não significa nada, mas UMA campanha neste tom seria muito abaixo do que o Bloco, o Fazenda e todos os outros candidat@s merecem. E Lx precisa muito de um vereador do Bloco, até porque NUNCA teve nenhum...

 
At 8/18/2009 2:40 da tarde, Anonymous Anónimo escreveu...

O Bloco apoiou o Sá Fernandes e ele foi um óptimo vereador no primeiro mandato, se no segundo terá tido posições que acabaram por levar á denuncia do acordo, e a retirada da confiança politica, isso não invalida, que o Sá Fernandes foi eleito e reeleito com um programa, a que o BE dava o seu apoio.

Por isso Sá Fernandes foi , isso não se pode escamotear , a voz do BE na Camara de Lisboa.

Quanto ao cartaz , vi hoje em Queluz o do André Beja á Camara de Sintra, e tenho de reconhecer , o caetaz é bem melhor que o do Fazenda.

 

Enviar um comentário

<< Home