« Home | Corrigir o IRS » | Como se o tempo não tivesse passado... » | O sectarismo no seu lamentável explendor... » | Músicas (às vezes, repetidas!!) » | Dia de arrumações cá em casa... » | Fascinante » | A hipocrisia não refaz a história...confirma-a! » | Façam um favor » | Voltei » | A nossa escolha »

domingo, junho 14, 2009

Hasta siempre, comandante!

Quando o outro, o dos cinco, já há muito saíra da cabeceira da cama (poder-se-ia lá ter mantido se alguns dos cinco se tivessem retirado pacificamente dele... Não o fizeram e, apesar de tudo, nunca ganhei a coragem suficiente para os apagar do poster, mesmo quando os apaguei de mim ou do futuro), o do Che - Hasta la victoria siempre - continuou lá. Foi o primeiro poster, um ou dois dias a seguir ao 25 de Abril - antes, a minha mãe nunca permitiu, lembrando-se, seguramente, de uma noite de chuva, anos antes, em que bateram à porta e levaram o meu pai de nós, e do medo e da fome e do resto todo a seguir - a ser pendurado e seria o último a ser retirado. Anos e anos depois, quando os meus pais mudaram de casa.

O poster do Che, que pendurei a 26 ou 27 de Abril de 1974, em cima da cabeceira da minha cama de quase mulher, acabou por simbolizar o meu percurso. Mesmo quando o tempo, a vida, o que se fez em nome das causas em que acreditei, se encarregaram de ir, um a um, ou todos juntos, retirando os posters, abanando as certezas, abalando os mitos, nunca tive dúvidas que um outro Mundo era/é possível e que só o construiriamos/construiremos com muita luta. Como ele acreditou.

Com o decorrer dos tempos, alguns foram tentando destruir o mito. Nunca entenderam que nunca o conseguiriam fazer. Pela única, simples e linear razão, que, ao irmos retirando os posters da cabeceira, crescendo, portanto, o que nos ficava / nos fica é o homem e é a luta.
Quando, a custo, abandonamos certezas, sem abdicar de princípios, é porque já apreendemos a substitir os mitos pelos homens. E a viver sem os primeiros. E a aprender com os últimos. Não construindo Deuses, continuando a acreditar que é possível construir novos Mundos. Com homens e com mulheres de carne, osso, erros, actos heróicos, medos, entregas, hesitações. Homens e mulheres inteiros, portanto.

Che Guevara nasceu no dia 14 de Junho de 1928. Hasta siempre, comandante.

Etiquetas:

7Comenta Este Post

At 6/14/2009 1:45 da tarde, Blogger Fura Fura escreveu...

Parabens Che e parabens ao Troll por se lembrar do comandante das nossas utopias.
HASTA SIEMPRE

 
At 6/14/2009 7:26 da tarde, Anonymous Anónimo escreveu...

A propósito do poster lembrei-me:
O Aníbal grande comuna mas muito distraido pensou ir 30 dias à ex-URSS. Por ser muito distraido ficou lá 30 anos. Primeiro foi visitar o mausoléu de Lenine. Olhava embasbacado para aquilo quando alguém lhe tocou no ombro e disse: grande obra! Distraido Lenine tespondeu: tão grande que não sei se não caberiam aqui os comunas todos!!! Levou 10 anos de prisão. (Continua)

 
At 6/14/2009 7:31 da tarde, Anonymous Anónimo escreveu...

Quando saiu da prisão foi trabalhar para arranjar dinheiro para regressar. Alugou um quarto. Vendo umas fotografias antigas viu uma do seu velho pai. Então Anibal mandou fazer um poster como o do Che-Che e colocou uma dum lado da parede, a do Lenine do outro lado. Um dia depois de regressar do trabalho, estando em casa, o KGB abre-lhe a porta de repente e pergunta: Quem é aquele reacionário ali pendurado?
-Qual deles, perguntou o Aníbal.
Pela sua distracção levou mais 10 anos de cadeia. o KGB não perdoa distracções! (Continua)

 
At 6/14/2009 7:36 da tarde, Anonymous Anónimo escreveu...

Depois de 20 anos na prisão, Aníbal pensou:
-Estou aqui há 20 anos e ainda não visitei o Bolchoi (é assim que se escreve? Tanto faz. Os comunas também não sabem escrever. São uns analfabetos. Senão não seriam comunas. Mas adiante)
Comprou um bilhete e estava sentado na plateia do teatro quando ouviu uma voz conhecida, atraz, chamar por ele:
-Oh Aníbal, não foste à última reunião do partido, pá!
Distraido como sempre responde o Aníbal:
-Se soubesse que era a última tinha ido pá!
Mais 10 anos de prisão. Se não tem ruido o muro de Berlim ainda hoje lá estava.

 
At 6/14/2009 8:02 da tarde, Blogger Isabel Faria escreveu...

Fura-Fura, vi que também te lembraste :))

 
At 6/14/2009 8:06 da tarde, Blogger Isabel Faria escreveu...

Caro anónimo, eu não quero estragar-lhe o momento de inspiração, mas tenha cuidado com os erros de português, faxavor!!
E volte sempre, sabe-se lá que talento é que por aí anda escondido.
Mas, de vez em quando, quando por cá passar, tente comentar o post, pode ser?
Obrigadinho.

 
At 6/21/2009 8:10 da tarde, Anonymous Anónimo escreveu...

O post eu comentei. Não sei se reparou e disse que era um poster igual ao do Ché-Ché. Reparou? Não foi muito feliz a alusão pois houve quem não entendesse e não teve realmente muita piada. Peço desculpa. Quanto aos erros de português, sabe nós escrevemos e depois não corrigimos, além de que muitas vezes escrevemos umas coisas e aparecem outras. Veja que isso até acontece nos posts quanto mais nos comentários. Mas não é aí que está o analfabetismo. Há muito engenheiro, muito doutorado, que não sabe escrever, ou melhor, escreve com erros. Mas um analfabeto até pode saber ler e escrever, isto é, juntar as letras. Não deixa de ser analfabeto por isso. Tem que compreender o que lê e saber o que escreve. Mas vou ter um pouco de mais cuidado porque tenho um nome e uma identidade a defender. Já escrevi em jornais, já fui poeta, pintor, etc., etc. Só me falta plantar uma árvore. mas também ainda não deitei fogo a nenhuma.

 

Enviar um comentário

<< Home