« Home | A nossa escolha » | É só rir IX » | Paranoia ou talvez não » | Ainda o derby » | Mudanças » | "Acho que as pessoas não foram feitas para a morte... » | Só me faltava esta... » | As coisas como deveriam de ser » | Para embrulhar e levar para o fim de semana » | Nota muito negativa, não???? »

terça-feira, outubro 02, 2007

O PCP continua no trilho da renovação

O PCP volta a decidir pelos eleitores e decide afastar a meio do mandato o Presidente da Câmara da Marinha Grande, João Barros Duarte.
Tal como já tinha feito em Setúbal e como tentou fazer na Assembleia da República, aí sem sucesso total, já que Luísa Mesquita se recusou a abandonar o lugar de Deputada por Santarém para o qual tinha sido eleita.
Não sei se o que choca mais é o desprezo pelos eleitores, pela verdade, pelos próprios ou a velocidade com se envelhece no PC.
Em dois anos passa-se de elegível a velho com necessidade de ser "renovado" (sempre que leio esta expressão vinda dos lados da Direcção do PC sinto uma certa pena dos Renovadores. Nunca eles pensaram que lhes fizessem isto à sua "renovação").
Há dois anos, aquando das autárquicas, ninguém se lembrou de avisar os eleitores que dois anos mais tarde, se chegava à tal idade critica (se bem que a idade critica possa ter um leque considerável). Claro que o PCP virá com a história que quando se vota num candidato se vota num programa...claro que o PCP sabe que isso não é assim, sobretudo, numas eleições autárquicas.
Numa coisa, no entanto há que tirar o chapéu ao PC - a sua coerência. Como os lugares pertencem ao Partido e não aos leitores ou aos eleitos, nem uns nem outros são vistos e achados na decisão. A Concelhia informa que o Presidente vai ser substituído. Ponto. Qual Presidente, qual eleito, qual carapuça. A Concelhia decide e informa. Assim se vê a força do PC!

Etiquetas:

10Comenta Este Post

At 10/02/2007 8:44 da tarde, Anonymous João escreveu...

Parece-me que o cabeça de lista do BE no Porto era o Teixeira Lopes e em Setúbal o Fernando Rosas e contudo desapareceram da cena. Parece-me que em Lisboa a Drago também foi eleita e há que tempos que deixei de a ver. Verdade?

 
At 10/02/2007 9:24 da tarde, Blogger Isabel Faria escreveu...

João, não é a mesma coisa.
Já nem entrando na parte que creio que não temos dúvidas que as eleições autárquicas são muito mais personalizadas que as legislativas, o BE (esteja-se ou não de acordo) sempre assumiu perante os eleitores que usaria a rotatividade na AR. O meu problema é que essa rotatividade de vez em quando encalha num ou noutro candidato tampão, mas essa é uma história para outro dia.

Já não faço ideia quem era cabeça de lista do PC, do PS ou do PSD por Lisboa, por exemplo, ou pelo Porto...e todos sabemos quem são os seus cabeças de lista em autárquicas, exactamente porque essa personalização existe.

O PC pode achar que os votos dos eleitores lhe pertenecem, eu creio que pertencem aos eleitores. E nem o PCP nem eu, podemos estar seguros se os eleitores da Marinha Grande votariam CDU se o Presidente da Câmara não fosse o agora "renovado".
Repito: se o PC assumisse que durante o mandato disporia dos seus eleitos e que os substituiria quando e se achasse necessário ou conveniente, o PC estava a fazer jogo limpo. Quem votasse CDU sabia que ao meio do Mandato iria ter o 2º, o 3º ou um suplente da lista como Presidente da Cãmara.Ao votar CDU estava a aceitar as regras. Assim não está.

Usando a tua comparação só há um ponto em que encontro alguma semelhança e que sempre critiquei dentro do BE. Ana Drago foi a cabeça de lista para a Assembleia Municipal em 2005, era a cara da Ana Drago que aparecia nos cartazes de campanha e creio que nunca tomou posse...ou se tomou esteve lá um mês. Na rotatividade não pode caber tudo. Nem todas as razões, nem sobretudo todas as opções. Consideraria muito mais grave se tal se passasse com a Câmara. Porque, repito, a eleição para a Cãmara, apesar de não por imperativo legal, é muito mais personalizada

 
At 10/02/2007 9:45 da tarde, Anonymous Anónimo escreveu...

Fernando Rosaas desapareceu de cena.....essa é forte...

É claro que não foi reformado como a Odete Santos, o Abilio Fernandes e a Luisa Mesquita só que esta fez-lhes um manguito...

 
At 10/02/2007 10:04 da tarde, Anonymous João escreveu...

Fernando Rosas desapareceu mesmo da cena, tal como o Teixeira Lopes e a Drago.

 
At 10/02/2007 10:26 da tarde, Anonymous João escreveu...

Lei das Autarquias Locais
Lei n.º 169/99, de 18.09

Artigo 57.º
Composição
1 — É presidente da câmara municipal o primeiro candidato da lista mais votada ou, no caso de vacatura do cargo, o que se lhe seguir na respectiva lista.
Artigo 59.º
Alteração da composição da câmara
1 — No caso de morte, renúncia, suspensão ou perda de mandato de algum membro da câmara municipal em efectividade de funções, é chamado a substituí-lo o cidadão imediatamente a seguir na ordem da respectiva lista
http://www.verbojuridico.net/legisl/outros/autarquias_locais.html

PS: Onde está o problema da renúncia?

 
At 10/02/2007 11:32 da tarde, Anonymous Anónimo escreveu...

Olha olha e insiste, ainda há dia o Rosas fez uma intervenção no Parlamento sobre a viagem do Socrates aos EUA...

E até o PCP apoiou as palavras do Rosas....

 
At 10/02/2007 11:50 da tarde, Anonymous Anónimo escreveu...

António Chora substitui Fernando Rosas no grupo parlamentar do BE
O deputado Fernando Rosas vai ser substituído por três meses na bancada do Bloco de Esquerda pelo sindicalista António Chora, a partir da próxima semana, devendo regressar em Dezembro ao Parlamento.

O pedido de substituição, por razões "de trabalho político" no Brasil e "razões pessoais" vai ser votado na próxima sexta-feira, na reunião da comissão parlamentar de Ética, disse à Lusa o gabinete de imprensa do BE.

"O deputado tem um conjunto de reuniões em nome do Bloco de Esquerda com partidos com os quais temos relações no Brasil e vai contactar com os movimentos do Fórum Social", afirmou o assessor de imprensa bloquista.

António Chora, da comissão de trabalhadores da Autoeuropa, em Palmela, assumirá o seu lugar na bancada parlamentar do BE durante a próxima semana, devendo integrar a comissão de Trabalho.

O sindicalista já tinha substituído Fernando Rosas no Parlamento por quatro meses, em 2006, no âmbito da rotatividade dos deputados bloquistas.

Na altura, o historiador suspendeu igualmente o mandato por ir representar o BE em reuniões políticas e por "razões académicas".

© 2007 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.
2007-09-17 17:35:01

 
At 10/03/2007 10:13 da manhã, Blogger Isabel Faria escreveu...

João, o problema da renúncia legalmente não é nenhum. O problema da renúncia quando esta já esta anteriormente planeada, e não foi atempadamente informada sos eleitores é um problema ético.
Há dois anos o agora "renunciante" tinha mesno 2 anos do que agora...As razões apontadas para esta e anteriores renuncias é a necessiade de renovação...supostamente saber-se-ia que dois anos depois teria idade para ser "renovado"...este tipo de procedimento do PC não é novo. Já se passou em Setúbal e na AR.

E já agora acho estranho que não seja quem renuncia que informa disso os seus eleitores e os seus municipes. Não é?

 
At 10/03/2007 12:53 da tarde, Anonymous Anónimo escreveu...

Se o Homem tem 73 anos e já está velho, com 71 tambem já estava.

E que idade têm em média os big boss do PCP.

Não tarda a Soeiro é um centro de dia para a terceira idade....

 
At 10/03/2007 9:02 da tarde, Anonymous Anónimo escreveu...

Parece então que o Rosas está mesmo off.

 

Enviar um comentário

<< Home